Voltar para a 1ª página
Com mais idosos no futuro, SP deve ter menos baladas e mais bailes tarde

 

Com o aumento da expectativa de vida e a queda da natalidade, a projeção é que, em 2050, para cada dez jovens, haja 21 idosos em São Paulo. Hoje, a relação é de seis idosos para dez jovens, segundo a Fundação Seade.

'O idoso estará mais próximo da tecnologia e mais ativo politicamente', afirma Marília Berzins, do Observatório da Longevidade Humana e Envelhecimento (Olhe). 'Provavelmente teremos menos festas na madrugada e mais bailes à tarde', diz Bibiana Graeff, professora do curso de gerontologia da USP.

Lúcia França, autora de 'O Desafio da Aposentadoria' (ed. Rocco) diz que a educação deverá ser mais incentivada para manter os novíssimos idosos competitivos para o mercado profissional. Em 2030, 20% dos paulistanos terão mais de 60 anos.

Problemas de saúde, mais comuns nessa fase da vida, devem colocar maior pressão sobre o sistema municipal.

O menor número de filhos e a redução do tamanho das moradias também poderá obrigar o Estado a ampliar os cuidados com os idosos, afirma Guiomar Lopes, coordenadora de políticas para idosos da prefeitura.

Mesmo assim, o envelhecimento ainda não é uma preocupação para o poder público nem para entidades privadas, criticam os especialistas ouvidos pela Folha.

A má qualidade do transporte público lidera as reclamações entre os idosos atualmente, segundo Lopes. Para a coordenadora municipal, 'estamos correndo contra o tempo' na preparação da cidade para a mudança.

'São Paulo não é acolhedora para jovens e adultos, imagina para os mais velhos. Se continuar assim, fará dos idosos reféns de suas próprias casas', diz Marília Berzins, do Olhe.

Fonte: Folha de São Paulo

Dedo de Prosa Produções
Rua Riachuelo, 1452 - Sala 205
Bairro Padre Eustáquio
30720-060 - Belo Horizonte/MG



Telefone: (31) 3413-7507
dedodeprosa.tv@uol.com.br
@dedodeprosatv
facebook.com/programa.dedodeprosa