Voltar para a 1ª página
Sentimentos na terceira idade

 

Nossos dias passam rapidamente, meses e anos parecem mais acelerados em meio a tanta tecnologia e agitação e um belo dia notamos as marcas de expressões deixadas em nossos rostos... E um dia encontramos diante do espelho um corpo diferente, que talvez não funcione mais com a mesma energia e vitalidade que estávamos acostumados.

Pois é, nosso dia vai chegar e esta nova etapa necessita ser bem compreendida, assim como deve ser intensamente aproveitada e vivida!

Se pararmos para pensar, lembraremos de tantas situações em que deixamos de fazer coisas que gostaríamos em função da correria do dia a dia e excesso de responsabilidades, nos tirando estas oportunidades. Todos estamos envelhecendo, pois este é um processo natural em nosso ciclo de vida, porém nos mais idosos estes sentimentos podem acontecer de forma muito negativa, resultando na diminuição das atividades e relações sociais.

A depressão é um sofrimento psíquico que pode causar desordens em nossos comportamentos e meio ambiente, podendo se manifestar de diferentes formas e envolvendo inúmeros sintomas associados e que podem confundir diagnósticos. A depressão é uma doença comum em todas as idades, mas que vem se acentuando entre idosos, pois de acordo com a Organização Mundial da Saúde, ao menos 15% dos idosos apresentam algum sintoma depressivo e cerca de 2% deles apresentam depressão grave.

A depressão nos idosos geralmente os afasta do convívio familiar, justamente na fase em que eles mais necessitam se relacionar com outras pessoas e buscar atividades prazerosas. Idosos deprimidos são mais insatisfeitos, principalmente quando se tornam incapazes de trabalhar, por isso muitos acabam se isolando e naturalmente encurtam suas vidas por doenças relacionadas à depressão.

De acordo com o Conselho Federal de Psicologia (2008), os idosos, como em todas as idades, precisam de redes de relações sociais para se sentirem amados, valorizados e cuidados. É comum entre eles dizer que apresentam poucas amizades, mas que estas são suficientes para suas necessidades afetivas. Na velhice ocorre redução nas relações e esse fato está relacionado à qualidade e não à quantidade das amizades.

Importantes estudos comprovam que nossa saúde pode ser comprometida ao escolhermos a solidão como companhia e muitos idosos não conseguem lidar com estas mudanças no corpo e rotina, sentindo-se excluídos, rejeitados e com a sensação de que não são mais úteis. Em uma visão mais geral, podemos afirmar que os idosos não apresentam maiores problemas de saúde, mas sim uma alteração na forma como se enxergam diante desta fase.

Sim, a resistência do nosso organismo vai diminuindo com o tempo e ficamos mais debilitados, mas também precisamos considerar que alguns fatores psicológicos podem nos auxiliar no fortalecimento do nosso sistema imunológico. Doenças como a hipertensão e fibromialgia também são comuns na terceira idade e possuem relação com o nosso estado emocional, ou seja, a forma como muitos idosos lidam com a velhice causa um impacto em sua saúde tanto emocional como física.

É importantíssimo que familiares/sociedade em geral busquem programas e atividades para seus idosos, no objetivo de promover a participação destes em movimentos assistenciais, sociais e culturais. Autores conceituados indicam a falta de apoio social como uma realidade que estimula a manifestação da depressão, pois com o envelhecimento, papéis sociais precisam ser substituídos para que nossos idosos não se tornarem alienados da sociedade ou de si mesmos.

Nossa cidade possui opções como o Centro de Convivência do Idoso – CCI – espaço mantido por nossa Prefeitura, atendendo idosos a partir dos 60 anos, onde durante a semana acontecem diversas atividades como: Alfabetização, Atletismo, Artesanato, Bocha, Coral, Dança, Ginástica, Hidroginástica, Jogos de mesa, Vôlei adaptado, além de comemorações especiais.

Vamos buscar um envelhecimento mais positivo, evitando exclusões e tristezas. Atualmente a depressão é tratada com sucesso, utilizando o uso de medicação em conjunto com a psicoterapia, mesmo que em alguns casos o tratamento seja um pouco mais demorado necessitando de mais paciência e força de vontade.

A psicoterapia auxilia no auto-conhecimento, auxilia o restabelecimento e percepção coerente do mundo interno, tratando angustias e conflitos internos e a partir daí o idoso irá perceber que tipos de crenças e comportamentos estão afetando sua vida e seus relacionamentos. A participação e apoio da família são fundamentais para o bom andamento e resultados, principalmente porque em muitos casos o idoso sente-se solitário e deprimido.

Tudo o que possa ter sido vivido de bom ou ruim serve como aprendizado, se ficamos felizes, tristes, amamos ou nos decepcionamos. Tudo deve ser visualizado como ganho, pois nem todo o resultado tem que ser só felicidade.

ESTELA C. PARRA
Psicóloga Clínica e Organizacional - CRP: 06/119083

Fonte: JE Online

Dedo de Prosa Produções
Rua Riachuelo, 1452 - Sala 205
Bairro Padre Eustáquio
30720-060 - Belo Horizonte/MG



Telefone: (31) 3413-7507
dedodeprosa.tv@uol.com.br
@dedodeprosatv
facebook.com/programa.dedodeprosa