Voltar para a 1ª página
Contato familiar ajuda na terceira idade

 

A importância da presença da família na terceira idade, ou seja, a chamada melhor idade, torna a fase mais saudável e ativa. A afirmação é da psicóloga Aline Lopes, da Associação Brasileira de Apoio aos Aposentados, Pensionistas e Servidores Públicos (ASBP), que também aconselha a participação em grupos, cursos e aulas em que possa conviver com outros idosos.

De acordo com a especialista, a melhor idade é uma fase em que isolamentos não são aconselháveis e a companhia da família é indispensável. “A transição do estado adulto para a velhice é um processo que provoca grandes alterações na autoestima e autoimagem destas pessoas. Os principais problemas no idoso consistem no isolamento social e em sentimentos de solidão”, afirmou.

Para a psicóloga, o bom relacionamento e o cuidado com a pessoa da melhor idade, só trazem benefícios porque nesta etapa a presença dos familiares torna-se ainda mais importante e necessária, em que é preciso manter o idoso ativo e saudável proporcionando bem estar para ele e para todos os que estão ao seu lado.

Segundo a especialista, quando se sente amado e protegido, o idoso se mantém ativo e fortalece o vínculo familiar em que vive, interagindo e participando das atividades do dia a dia. Além disso, quando considerado uma referência de conhecimento e experiências, principalmente no contato com as gerações mais novas, a família demonstra seu respeito e admiração.

“Ser um avô participante, no seio da família, representa uma fonte de gratificação para o idoso e um importante laço estruturante na educação dos mais novos”, afirmou Aline. Outro item de fundamental importância, apontado pela especialista, são as atividades que exercitam a mente e o físico do idoso porque os ajudam a ter uma velhice mais saudável e um convívio mais fortalecido com a família.

“É importante que seus familiares o incentive a participar de grupos, cursos e aulas, em que possa conviver com outros idosos. Outro fator importante é preservar a sua saúde, atentando para sua qualidade de vida, acompanhando-o em consultas médicas sempre que necessário e ajudando-o com medicamentos”, sinalizou. A psicóloga disse ainda que “em caso de doença, estas necessidades encontram-se acentuadas e a presença da família é determinante para o acompanhamento e qualidade de vida do idoso. A família representa a resposta mais adequada para o cuidado ao idoso, respeitando e dando muito amor”, concluiu.

Espaço de convivência é a saída

Quando a pessoa chega a terceira idade e requer cuidados mais especiais, mas todos os familiares ao redor têm seu dia a dia de trabalho, não podendo dispensar tempo diário ao parente, a solução, de acordo com vários especialistas, são os espaços adequados para idosos, muitos destes particulares com cotas mensais.

Como é o Aurea Recanto da 3ª Idade, localizado na Alameda da Praia de Atalaia, 65 - quadra L - Stela Maris , uma casa que pretende ser um serviço de referência, satisfazendo com qualidade as expectativas dos representantes da terceira idade.

De acordo com a proprietária do espaço, a enfermeira Eunice Souza dos Santos, trata-se de um programa diferenciado, desenvolvido para idosos que buscam a manutenção da saúde física e mental. Atualmente conta com 13 pessoas, na faixa etária de 71 a 94 anos.

A enfermeira explica que são pessoas ativas, mas que devido a idade foram diagnosticadas com um tipo de demência, a exemplo de esquecimentos de fogão aceso, remédio a tomar e outros fatores que demonstram que a pessoas não pode mais viver só. “Aqui todos têm vida ativa, social, atividades diárias e às datas comemorativas fazemos festas e a família é muito presente, vêm aos finais de semana, muitos ainda têm as suas casas e vão lá para ver se está tudo em ordem”, contou.

Ela ressalva como é importante a atuação dos familiares na vida destes idosos. “A família é minha parceira nos cuidados e não faz mais porque todos têm suas profissões e têm que trabalhar durante a semana. É aí que eu entro, levo no dentista, no médico e nos shoppings”, destacou.
A dificuldade de encontrar um cuidador é o que leva as pessoas a irem morar nestes espaços para a terceira idade, segundo a enfermeira que afirma “quando o idoso começa na fase do esquecimento, que chamamos demência, a orientação é de que tenha gente por perto para acompanhar, principalmente depois dos 65 anos. Mas os familiares alegam que é difícil encontrar uma pessoa que se disponibilize cuidar diariamente e geralmente em épocas de festas não aparece”, concluiu a enfermeira.

Fonte: Tribuna da Família

Dedo de Prosa Produções
Rua Riachuelo, 1452 - Sala 205
Bairro Padre Eustáquio
30720-060 - Belo Horizonte/MG



Telefone: (31) 3413-7507
dedodeprosa.tv@uol.com.br
Youtube Oficial
facebook.com/programa.dedodeprosa
facebook.com/encontronacionaldedodeprosa