Voltar para a 1ª página
Idosos movimentam economia com investimentos em viagens e estudo

 

As pessoas com mais de 60 anos movimentam R$ 20 de cada R$ 100 gastos no país. E uma pesquisa mostra que o maior investimento nessa faixa de idade é com as viagens e com a educação. Em muitos casos os idosos sustentam a família e ainda ensinam uma lição: o melhor investimento não é em ações e fundos, é na educação. Desde que se aposentou, dona Leonor não para em casa. “Já fui para Disney, fui pra Israel, vou para Nordeste. Bengalinha e chinelinho não!”, conta.

E Luzia Maria Silva Teixeira vai para Roma. Será a primeira viagem internacional. “Mala e umas blusas, casaco, tudo para levar, para ir na viagem”, diz a aposentada. Esse pessoal viajado não faz bem só ao mercado de turismo: movimenta toda a economia do país. Hoje os idosos representam 11% da população, e a renda deles corresponde a um quinto da renda nacional.

“O idoso responde por quase 20% do consumo nacional. Ele compra cada vez mais produtos relacionados à educação sua e de seus filhos ou netos, começa buscar produtos de tecnologia. Temos um idoso que começa a querer se conectar e estar presente no mundo virtual e também a estudar”, afirma o presidente do Instituto Data Popular Renato Meirelles. É o que revela uma pesquisa nacional feita com dois mil idosos. O estudo aponta que quase um quarto deles não vive só da aposentadoria, continua trabalhando.

“A gente parado é ruim demais. E a gente trabalhando, com serviço, ocupa a mente e o corpo, não fica doente e nada”, conta o corretor de imóveis Oscar de Abreu. Metade tem conta em poupança e quase 60% usam cartão de crédito. Mas, em geral com prudência, só 26% dizem ter dificuldade em controlar os gastos. “O segredo é não fazer compromisso. Vai comprar alguma coisa, junta um dinheirinho, programa, compra, paga à vista sabendo controlar o dinheiro mesmo curto, você consegue realmente viver melhor”, explica a aposentada Djalma Gomes.

Esses brasileiros participaram nas ultimas décadas, das mudanças na economia do pais e também se beneficiaram com elas. Mas perguntados sobre o que gostariam de deixar como herança para os filhos, dinheiro e bens materiais ficaram em segundo plano. Três de cada quatro idosos disseram que pretendem deixar respeito, honestidade e educação.
“Educação e sempre respeitar as pessoas, desde criança até idoso. Porque o respeito é bom e é bonito em qualquer lugar”, afirma o corretor de imóveis Oscar de Abreu.

A herança que um dia a dona Janice vai deixar é a vontade de aprender. Depois de se aposentar, fez faculdade e voltou a trabalhar, agora como coordenadora pedagógica. Com a renda extra do emprego, ela vai fazer pós graduação e realizar um sonho antigo. “Eu tirei carta, é uma coisa que eu morria de medo e eu quero comprar o meu carro agora, que eu não quero saber de dirigir carro de filho”, explica. A pesquisa feita ouviu dois mil idosos em 53 cidades. E o estudo também fez uma projeção: em quatro décadas, a população idosa deve alcançar 30% do número de habitantes do país.

Fonte: Bom dia Brasil

Dedo de Prosa Produções
Rua Riachuelo, 1452 - Sala 205
Bairro Padre Eustáquio
30720-060 - Belo Horizonte/MG



Telefone: (31) 3413-7507
dedodeprosa.tv@uol.com.br
@dedodeprosatv
facebook.com/programa.dedodeprosa