Voltar para a 1ª página
Terceira idade movimenta mercado do turismo nacional

 

Hora de tirar as malas do armário. Em agosto será lançada a segunda edição do programa Viaja Mais Melhor Idade, iniciativa do governo federal que tem como objetivo incentivar os aposentados a comprarem pacotes turísticos e hospedagem a preços reduzidos durante os meses de baixa estação, quando os destinos mais precisam de clientes. Desta vez, o programa vem acompanhado de uma linha de crédito consignado com juros camaradas, feitos sob medida para os idosos. Realizado pela primeira vez no período de 2007 a 2010, o Viaja Mais Melhor Idade foi um sucesso.

Segundo dados do Ministério do Turismo, no primeiro ano do programa foram vendidos 9.000 pacotes. Em 2010, 210 mil pacotes foram comercializados. Durante todo o periodo entre 2007 e 2010, as vendas atingiram 600 mil. Nesta primeira edição eram 13 operadoras cadastradas e 890 agências credenciadas.

O programa a ser anunciado mês que vem (ainda sem dia definido) terá algumas novidades, como a entrada de bancos e a possibilidade de comprar itens separadamente. Empresas prestadoras de serviços turísticos como agências de viagens, parques temáticos e companhias aéreas, podem se cadastrar no site da iniciativa para participar. Os requisitos são possuir cadastro regular no Cadastur e oferecer um benefício ou viagem exclusivo para o programa voltado à melhor idade.

PREFERÊNCIAL - De acordo com dados da operadora CVC Brasil, os maiores de 60 anos já estão entre seus principais clientes. O hábito desse público é fechar as compras com antecedência e realizar viagens pelo menos uma vez por ano. Ao contrário do que se imagina, os idosos não querem lugares quietos.Localidades que ofereçam atrações durante o dia e a noite, cheias de agito e animação, são as favoritas.

Entre os destinos mais procurados pelo público maduro estão cruzeiros pelo litoral brasileiro e pelo Exterior, roteiros aéreos para o Nordeste (em especial para Porto Seguro, Fortaleza, Natal, Maceió, Porto de Galinhas, Salvador e Costa do Sauipe), Serra Gaúcha, Caldas Novas, cidades históricas mineiras e Foz do Iguaçu.

Para as viagens internacionais, a Europa está no topo da lista de preferências, seguida por América do Sul, Estados Unidos e Caribe.

A prova de que a terceira idade é uma aposta segura para as agências de viagens está no fato de que há cada vez mais empresas especializadas nessa faixa demográfica. É o caso da Viajar Melhor de Santo André, que está a quatro anos no mercado e só trabalha com essa clientela. A proprietária Alessandra Pazzini decidiu montar a agência depois de trabalhar no programa do governo. “É um público fiel e muito querido. Eles buscam conforto, fazer novas amizades, gostam bastante de conhecer pessoas, ter companhia e de bom atendimento”, descreve.
A agência oferece passeios para diversas regiões do Brasil, além de passeios religiosos como para a Aparecida do Norte e para eventos como a Expoflora. “Todos os pacotes de viagens possuem seguro de vida, além do acompanhamento de um guia credenciado Embratur e um representante da agência”, disse Alessandra.

Viajar faz bem para a saúde, dizem os médicos

Depois de uma vida inteira dedicada ao emprego, o que a maioria dos idosos busca é aproveitar a vida. E fazer isso viajando tem várias vantagens. Os especialistas garantem: viajar ajuda a melhorar a saúde física e mental dos idosos, principalmente porque estimula o contato social, o que é uma ajuda fundamental no combate à depressão.

A psicóloga da Universidade Metodista de São Paulo, Angélica Capelari, afirma que o ‘pendurar as chuteiras’ é um período complicado na vida dos idosos. “O aposentado fica em casa, inativo e sem contato com as pessoas. É nessa época que é importante se sentir útil”, declarou.

Para a geriatra da Escola Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Cybelle Diniz, os passeios e viagens devem ser encarados como uma medicina preventiva. “Tudo muda durante uma viagem, desde a cama até a comida, e essa alteração é muito saudável. Conhecer lugares, famílias, s pessoas é sempre positivo. O principal problema do aposentado é perder esse contato como o novo. Ou seja, viajar é muito saudável”, disse.

O casal de aposentados Roberto Evers, 71 anos e Maria Ivone Xavier Evers, 69, têm como hábito viajar desde o ano do recebimento do benefício da aposentadoria, em 1996. “Me aposentei em fevereiro e já em junho do mesmo ano fizemos a primeira viagem. Fomos conhecer a Europa. Andamos por vários países de trem”, conta ele.

Entre os principais destinos incluídos nas viagens do casal estão a Itália, Espanha, Hungria, Alemanha e Áustria. O Brasil também faz parte dos roteiros. Recentemente, eles conheceram Salvador, além de irem regularmente para Londrina e para a Serra Gaúcha.

Ambos mantém uma vida saudável, livre de doenças típicas da idade. “Só tomo remédio para o colesterol e o meu marido para a pressão alta. A gente não fica resfriado. Nem gasta dinheiro com remédio. E acho que muito disso vem das viagens que a gente faz”, afirmou Maria Ivone.

Além de todas as vantagens para a saúde e o bem-estar, o que facilita para o casal é a forma de pagamento disponibilizada. “Favorece muito porque você começa a pagar antes e ainda divide em dez vezes no cartão de crédito. Assim o bolso nem sente”, declarou Roberto.

CUIDADOS - Apesar dos benefícios que a atividade turística pode gerar, a geriatra da Escola Paulista de Medicina da Unifesp, Cybelle Diniz, chama a atenção para que os mesmos cuidados em relação a saúde que são feitos em casa sejam mantidos na viagem. “Primeiro, o idoso não pode sair de férias dos remédios, tem que manter a medicação mesmo mudando a rotina. Segundo, se ele tem cuidados alimentares prescritos, não pode exagerar enquanto estiver no passeio”, afirmou.

As condições de uma doença prévia devem ser respeitadas, de acordo com a geriatra. “Se for diabético, ao invés de um doce, ele pode experimentar uma fruta diferente. Idosos que são mais dependentes, como os que têm Alzheimer, também podem viajar, mas com alguns cuidados. O que é sempre importante é ver se o local é acessível, se o plano de saúde dá cobertura, levar o telefone do médico e seguir as especificações dele”, indicou.

Viagem de ônibus interestadual gratuita

O que muito idoso não sabe é que quem tem 60 anos ou mais e possui renda de até dois salários-mínimos pode viajar para outro Estado gratuitamente ou pagando metade do valor. Todas as empresas rodoviárias devem ter dois lugares disponíveis para os mais velhos, que podem ser ocupados gratuitamente. Caso esses assentos já tenham sido ocupados, o pagamento da viagem deve ser metade do valor.

Para solicitar o benefício, é necessário comprovar a idade através de um documento com foto. No caso da renda, deve ser apresentado um dos seguintes documentos: comprovante de pagamento, carnê de contribuição do INSS, extrato de pagamento de benefícios ou carteira de trabalho atualizada.

Os bilhetes devem ser solicitados com seis horas de antecedência para viagens de até 500km, ou com 12 horas no caso de percursos superiores à 500km. Para mais detalhes, as empresas de ônibus devem ser consultadas.

Fonte: DGABC

Dedo de Prosa Produções
Rua Riachuelo, 1452 - Sala 205
Bairro Padre Eustáquio
30720-060 - Belo Horizonte/MG



Telefone: (31) 3413-7507
dedodeprosa.tv@uol.com.br
@dedodeprosatv
facebook.com/programa.dedodeprosa